A REFlexus falou com a Presidente da Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona (AECFUL), Joana Moreira Pereira, sobre a associação que representa.

sair da nossa zona de conforto e arriscar

— Conselho de Joana Pereira, Presidente Cessante da AECFUL

Contando com 17 anos de existência, a AECFUL é uma Associação de Estudantes bastante recente. Ainda assim, Joana considera que “ao longo da sua existência, todas as Direções que por ela passaram têm primado pela inovação e pela evolução, tentando diferenciar-se pelas atividades que realiza e pela sua forma de pensar”. Além disso, a AECFUL é uma associação independente da associação da sua Universidade, faz parte da APEF e “tem conseguido manter-se ao mesmo nível das associações maiores e mais antigas”, argumenta de forma convicta.

A Presidente da AECFUL conta que, desde a sua criação, a associação tem como principal objetivo “representar todos os estudantes que frequentam o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas (MICF) na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia (ULHT), trabalhando sempre em prol da defesa dos seus direitos, interesses e ambições”. Mantendo o elo de ligação entre os estudantes do MICF da ULTH e das várias entidades externas do setor farmacêutico e do Ensino Superior, a Direção da AECFUL trabalha no sentido de colmatar as falhas que o curso ainda possui.

Apesar de ser uma associação pequena, representando apenas 142 estudantes, Joana defende que esta característica “permite uma relação mais próxima com os colegas, docentes e todas as entidades dentro da Universidade”, sendo este um dos seus pontos fortes. A AECFUL distingue-se ainda das restantes associações pela sua maior atividade – e pela qual é reconhecida – a Semana das Ciências Farmacêuticas, descrita como “uma semana de rastreios e consultas gratuitas para toda a comunidade do Campo Grande”.

Quanto aos motivos que a levaram a concorrer a este cargo tão desafiante, Joana confessa que ser Presidente da AECFUL era um objetivo que tinha desde o primeiro ano em que foi convidada a fazer parte da mesma, afirmando que nunca teve ninguém a “abrir-lhe caminho” para ali chegar. Por último, a Presidente defende que é importante “sair da nossa zona de conforto e arriscar”, possibilidade que surgiu na AECFUL, admitindo que a oportunidade de crescimento pessoal e profissional foi também uma das grandes motivações para dar esse passo.

Entrevista a Joana Pereira, Presidente Cessante da AECFUL

Texto elaborado por: Sara Alcarpe, FFULisboa


APEF

Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia

Deixar uma resposta